sexta-feira, 10 de agosto de 2007

alimenta-me o EGO

Já dizia o Gabriel (aquele apelidado Pensador) que a gente cospe no prato que come para depois querer comer no prato em que cuspiu...
E quem sou eu para não te deixar comer...
Tens fome? AGORA COME!!
Come os restos que deixaste abandonados ao relento, ao sol e às moscas.
Come essa podridão acumulada dos dias e das horas passadas à espera de um vento refrescante, dos momentos de rejeição, das horas de desprezo.
E comes... Porque a fome é tanta e a comida escassa.
Porque nada mais resta do que a consequência do mundo que criaste.
Comes com gula, porque o orgulho que te resta já não é força mas ilusão.
Uma ilusão de fruta fresca e intacta apanhada da árvore ao som da lua que te clama uma doçura que já não existe.

E porque todos temos de nos alimentar, eu fico aqui pasmada a olhar-te devorar com sofreguidão o que em tempos consideraste lixo.

2 comentários:

Zaza disse...

(...)

(...)

(...)

no coment

(como prometi)

*******************

lamia disse...

Há quem prefira ficar de prato vazio, embora com a boca da fome aberta. Há quem coma com prazer e avidez do lixo ou do paraíso, sem saber quando é que a digestão vai de repente parar, sufocar e levar a mais uma morte. Há quem se force a uma dieta que não deseja. E há quem coma só para poder vomitar a seguir. De uma forma ou de outra, somos todos bulímicos q.b..